IT | EN | ES | FR | PT

NOTÍCIAS

NOTÍCIAS - Entre crise e filhos, a beleza de um casamento 'imperfeito

Entre crise e filhos, a beleza de um casamento 'imperfeito

23/06/2022

Entre crise e filhos, a beleza de um casamento 'imperfeito

Os primeiros anos de casamento são uma descoberta. "Vivendo um com o outro, ficando longe de casa, assumindo novas tarefas e responsabilidades, chegando a acordos.... Pouco a pouco percebemos que a vida cotidiana exigiria esforços, renúncias, sacrifícios". Por isso precisamos de "nossa Mãe Igreja, que ilumina e acompanha". Isso foi explicado por Eduardo De La Paz e Monica Gonzales, palestrantes na conferência que nesta tarde abriu os trabalhos do Congresso Teológico Pastoral do 10º Encontro Mundial das Famílias. Os dois moram em Toledo e realizam cursos de preparação para noivos.

Nenhum casamento é sempre "rosas e flores", o que foi apresentado pelos dois palestrantes. Assim como os outros que se revezavam no palco da Sala Paulo VI, nos painéis que se seguiram: famílias normais, feridas, frágeis, lutando com mais ou menos grandes problemas, desde a traição, até o perdão, ao abandono. O mesmo acontece em todas as latitudes, na África e na Europa, no Brasil e no Canadá. Entre outros, testemunharam Stephen e Sandra Conway, da África do Sul, representantes de "Retrouvaille", um caminho para casamentos em dificuldade. "Retrouvaille analisa quatro estágios do casamento: romance, desilusão, miséria (onde nossa traição ocorreu) e finalmente alegria. Na fase sentimental o foco está na outra pessoa e qualquer defeito é ignorado ou negligenciado. Esta fase sentimental não dura para sempre e os casais podem em breve se encontrar desiludidos por pequenos aborrecimentos que começam a aparecer. A desilusão pode levar à infelicidade onde todos os problemas enfrentados são atribuídos à outra pessoa e a vida se torna um inferno. "Mas então, através de uma jornada em vários estágios, chega-se à alegria. "Na fase de alegria, não focamos mais em nós mesmos como indivíduos, mas agora em nós mesmos como um casal unido no verdadeiro significado do amor. É nessa fase que percebemos que o amor não é um sentimento, mas na realidade é uma decisão."

Dedicado à chegada das crianças e à recepção da vida nos seguintes painéis, na segunda parte da tarde desta quinta-feira, 23. Jordi Cabanas e Gloria Arnau, espanhóis, falaram da adoção e do acolhimento como uma escolha cristã. "Somos uma família acolhedora porque antes somos acolhidos, com apenas um mérito – que não é pequeno: ser intermediários do Amor que recebemos".

Acolheram sempre a vida também Gigi De Palo, presidente do Fórum das Associações familiares, e sua esposa Anna Chiara Gambini. Em casa esperando por eles cinco filhos dos quais o último deles, quatro anos, com síndrome de Down. "Quando nosso quinto filho nasceu", assim começaram, " tínhamos a arrogância de já saber tudo. A experiência, mas também o orgulho de quem já experimentou 4 nascimentos, 4 desmaseamentos, 4 inserções na escola, 4 primeiros passeios, 4 primeiras vezes no mar... Como se as coisas acontecessem duas vezes da mesma maneira. Nosso quinto filho, Giorgio Maria, nos surpreendeu e mudou nossas vidas um segundo após seu nascimento. Porque ele não é apenas um filho com síndrome de Down, mas ele foi para nós o terremoto de nossas certezas inúteis". Eles não querem ser considerados "bons", destacaram. "Não somos uma família modelo – sublinharam eles –. Somos simplesmente uma das muitas famílias que disseram sim à vida, não por uma razão ideológica, não porque nos disseram na paróquia, mas porque era linda. Não há nada a fazer: é a beleza que nos impulsiona a fazer as coisas. É por beleza que somos cristãos. É por beleza que somos casados. É pela beleza que recebemos Giorgio Maria. Porque a vida, toda vida é intrinsecamente digna e é objetivamente mais bonita do que a morte."

À noite, os delegados se deslocaram para o Palácio Lateranense, para uma visita guiada ao que era "A casa do bispo de Roma", e para ouvir, no pátio, um concerto de música clássica realizado pela FORM– Orchestra Filarmonica Marchigiana, compagine residente del Macerata Opera Festival.