IT | EN | ES | FR | PT

NOTÍCIAS

NOTÍCIAS - A família, um presente para o mundo

A família, um presente para o mundo

24/06/2022

A família, um presente para o mundo

O reino dos céus é como um tesouro escondido em um campo; um homem encontra e esconde de novo, então vai, cheio de alegria, e vende todos os seus pertences e compra aquele campo. Assim é a família para Benoît e Véronique Rabourdin, francês, que abriram os trabalhos do segundo dia do Congresso Teológico Pastoral do 10º Encontro Mundial das Famílias. "É importante entender esse tesouro e revelá-lo, pois, casais e famílias que vivem essa comunhão de amor são intrinsecamente felizes e fecundos. Eles inevitavelmente dão frutos que se desdobram em um esplendor natural onde eles se estabeleceram.  Mas as famílias são um tesouro que deve ser desenterrado, destacaram: "Somos feitos à imagem de Deus para nos doarmos. É a missão dos pais para seus filhos, mas também é a missão dos casais entre si e a missão da Igreja para o mundo. A comunhão é vivida através do dom".

O primeiro painel teve como foco a relação com as crianças e com as gerações mais jovens em geral que, entre outros, falou o casal Massimo e Patrizia Paloni, "de uma comunidade do Caminho Catecumenal em Roma e missionários itinerantes na Holanda por dezoito anos", como eles mesmos contaram a partir do palco da Sala Paulo VI.  O casal Paloni apresentou uma nova experiência de pós crisma: "Hoje muitos jovens vêm de famílias feridas. Uma porcentagem cada vez maior de filhos vive com apenas um dos pais, a maioria por causa da separação dos pais, outra parte por relações fora do casamento. Diante do fracasso de mais de 50% dos casamentos, sem o apoio e ajuda da escola, muitos jovens se encontram sem nenhum ponto de referência e se perdem. Em uma nova experiência de pós crisma que, muitos párocos do mundo, em comunhão com seus bispos, decidiram de começar a fazer pequenos grupos de jovens com uma família de fé adulta e provada, capaz de uma autêntica testemunha de serviço a essas crianças. Os adolescentes são atraídos pela família cristã na qual vêem uma fé viva. Nesses grupos, os jovens começam a ler a Palavra de Deus, refletir sobre os mandamentos como uma jornada de vida, redescobrir o Sacramento da Reconciliação e entrar em contato com a vida cristã de uma família concreta".

Fé e periferias existenciais no centro do segundo painel da manhã. Como palestrantes María Paula Casanova, da Argentina, e Valerio Santoro, italiano, casado e com dois filhos. "Moramos na Argentina, em uma comunidade onde há três anos compartilhamos nossa vida com homens com problemas de dependência", disseram eles. Uma comunidade da Associação Papa João XXIII, não uma grande estrutura, mas um lugar onde o foco é a acolhida. "O metodo que seguimos para recuperar os dependentes é compartilhar a vida diretamente com eles – explicaram. Nossa proposta é compartilhar, não oferecemos um serviço, não trabalhamos para curá-los, mas porque os amamos, e porque amamos, cuidamos deles. Na nossa comunidade terapêutica vivemos a família, o trabalho, a vida cotidiana... A família com seus momentos lindos e aqueles não tão bonitos, mas juntos superamos as dificuldades. A terapia é muito simples: a terapia da verdade, da responsabilidade, do compromisso consigo mesmo.  A terapia do encontro com o Absoluto, que não se impõe, mas si respira".

O dia foi aberto pela missa na Basílica de São Pedro, celebrada pelo Cardeal Angelo De Donatis, vigário do Papa para a diocese de Roma. "Aqui, esta manhã, com o Coração de Cristo, o Bom Pastor, os corações de todo o mundo bateram - disse o cardeal - são corações felizes por terem respondido Sim a Deus; são corações feridos pelos julgamentos da história e do mundo; são corações abertos à novidade do Evangelho, a fim de poder testemunhar a presença perene do Cristo Esposo em nossa história. Não é verdade que a família está perdida e acabada. Ainda está nos ombros do Pastor que com força e ternura cruza os caminhos do mundo e nos chama a redescobrir o caminho da santidade".